sábado, 11 de julho de 2009

Um corpo em cena

Da carne o traço
frágil frag
menta a nu
a som
bra ver
melha no
ar
rastro
re
flexo d'água
rasgo
roto à
beira da
palavra.

Um comentário:

  1. esse poema é sensacional, hehe Ao mesmo tempo q as palavras fragmentadas produzem um movimento, tb remetem a sensoriedade... menta, som, ver... uma delícia de poema para o corpo!!!

    ResponderExcluir

Deixe suas pegadas por aqui