sábado, 31 de outubro de 2009

Um corvo à espreita

não mais
outra vez não
mais outra
vesga vez:
o sempre cega a voz
da entrega em mim talvez
no corpo à risca
de ser nunca
ma(i)s a outra
da vez.

3 comentários:

  1. oi Susannah!
    obrigada também pela tua visita lá, seja sempre bem vinda.
    Eu vim parar aqui por causa das fotos, pesquisando... mas me deparei com seus poemas: enxutos, sintéticos, belos.
    Parabéns, viu.
    bjs

    ResponderExcluir
  2. Ahhh... belo poema; gostei muito;)
    bjo

    ResponderExcluir
  3. Gosto cada vez mais da tua poesia, Susannah. Que coisa... bjo.

    ResponderExcluir

Deixe suas pegadas por aqui