sexta-feira, 12 de março de 2010

Como se e nada fosse

Foto clicada por esta gaivota, num vôo baixo, baixinho, de fechar os olhos, pra sentir a luz no céu de uma austrália qualquer.

Sob a luz
como se
sumisse
como se
a luz
submissa sentisse.

E este silêncio...

(como se dissesse tudo
e nada fosse)

amortece
como se
uma sonda
emigrasse
sob a luz sua sede

e sonhasse
no vazio da mira
a sombra
do impasse.





4 comentários:

  1. [acrobática dança da palavra, que, se tonta de dança, respira no descanso; vertiginosa palavra!]

    um imenso abraço, Susannah

    Leonardo B.

    ResponderExcluir
  2. Obrigada por passear por aqui, Leonardo. Bjs!

    ResponderExcluir
  3. Este serpentear do amor em direção ao fundo... Ficou linda esta aliteração s s s s ss...
    Abraço.

    ResponderExcluir
  4. Oi Leda! Como iconizar o silêncio, a luz que se vai, a sensação que tudo isso mimeticamente traz para o plano da expressão do sujeito, representando algo além da paisagem? A aliteração foi uma das estratégias...
    Bjs! Thanks for aterrissar por aqui...

    ResponderExcluir

Deixe suas pegadas por aqui