domingo, 15 de agosto de 2010

Paralelas 2

A poesia desvia
na palavra seu curso
um rio
sem discurso
pedra cabralina
inaugural de toda vida
que se abisma
no caos
e na língua.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe suas pegadas por aqui