segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Flagrante delito

expiro e resisto
inalo o abalo

soçobro entre o todo

o sarro
e a saga

uma cobra
macabra
devora minhas horas

respiro o delito
entre as sobras
que rondam

agora

desisto



7 comentários:

  1. A poesia é um flagrante delito...

    ResponderExcluir
  2. Que bom ser convidado a ler um texto tão bom como este e ainda dar de cara com um novo layout tão bonito! Acho que este é um dos seus poemas mais bonitos que já li, impressionante. Parabéns, Susannah!

    P.S.: Já coloquei as explicações sobre o livro de Microcontos lá no blog, beijos.

    ResponderExcluir
  3. Obrigada, Marcos, pela visita e leitura. Palavras lindas as suas e motivadoras! Bjs!

    ResponderExcluir
  4. "...nesta manhã desventrada
    dos céus - o silêncio -
    ouço apenas o silêncio..."

    ****

    "...tudo se esvai -
    até a dor
    deste poema..."

    ****

    "...este rio se esvai
    triste em sangria -
    sonolento..."

    ****

    "...na multidão que se comparte
    em dor e deslinda a (l)ira
    que medra a cena ao ar-livre..."

    ****

    "...de quase estorvo estuar
    o último vôo ao troar
    do corvo tão só..."

    ****

    "...o corpo insinua
    e enclausura ao ponto de soçobrar
    açuladas liras..."

    ****

    "...vem sombra
    esta vida breve
    em trevas se assoma..."

    ****

    "...suicida-te
    póstuma poesia
    silente na encosta bravia..."

    ****

    "...tênue te encontrarei
    em teus (en)cantos
    em meus poemas-sombras
    e em prantos..."

    ****

    "...teu arpão -
    farpas de seda
    dói-me as espáduas..."

    ****

    "...o que contemplo agora ?
    um poeta embriagado que se extermina
    pelas pálpebras pelo ventre
    pela língua ? "

    ****

    "...uma constelação de ruínas
    de mim apossou-se de mim
    como poseidon do olimpo..."

    ****

    "...enquanto casulos
    soluçam bocejos de tédio
    o corpo vibra entre vértebras..."

    ****

    "...o último tremor de morte
    da línguagridoce
    o silêncio do céu cintila..."

    ****

    "...um cio de véu me excita
    outro céu de algodão
    - estrila..."

    ****

    "...esta poesia cardíaca
    pintura hidráulica
    de borboletras esmeraldas..."

    ****

    "...poesia pássara pêssega
    suave cigarra que se assigna
    veludolorosa e se fragmonstra:

    - univértebra univalve unívoca..."



    abraços poeta. lindos poemas. de tirar
    o fôlego...
    www.escarceunario.blogspot.com
    www.seteceras.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  6. uma das minhas prediletas, sem dúvida, q sempre volta a mim ...ela conhece meus caminhos

    ResponderExcluir

Deixe suas pegadas por aqui