segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

silêncio

seu
sil
en
cio
sil
vo
do
ce
do
sol
so
me
de
mim

7 comentários:

  1. Bonito, Susanna. Passa a impressão de algo que escoa pelo vão dos dedos. abçs.

    ResponderExcluir
  2. Susanna, Concretos&Abstratos mudou para http://peloapelodapena.blogspot.com (coisas do ano novo).
    Como sou analfabyte, mudei sem querer o link para o “concretos”. Me link again.
    Beijos, Sidnei
    (Um ano novíssimo cheio de saúde e poesia)

    ResponderExcluir
  3. Olá, Susanna.

    Que 2011 seja um ano brilhante e que traga muita literatura para todos nós!

    Beijos.

    ResponderExcluir
  4. Esse "seu" no início e o "mim" no final me passam a impressão de que é no silêncio que os extremos finalmente se encontram e sem entendem, na ausência de palavras. Lindo poema, com o som das ondas do mar!
    Se um dia tiver tempo, visite meu blog de bobagens: http://correrdatecla.blogspot.com/

    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  5. "...súbito o sol fulvo arde
    em silvo ou sêmen
    no desnudo silêncio violado..."

    ResponderExcluir
  6. “...tormentas de tédio -
    delírios da doce lira
    que o silêncio assiste...”

    ResponderExcluir
  7. Tive que ler várias vezes para aprender a ler esse silêncio! Parece com o meu: demorado pra entender!

    ResponderExcluir

Deixe suas pegadas por aqui