sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

Descarto


pegando carona na asa de um avião sobrevoando são paulo: as manhãs me embriagam... cliquei essa!

existo

sou onde
o som
diz


onde não
sou


silêncio
penso


sobre mim


resisto
penso
descarto


parto


sem mim

7 comentários:

  1. sei não... o penso logo existo do descartes é negado aqui pelo descartar dessa lógica de ser pelo pensamento racional. Ser aqui é um estar longe, descartado de si mesmo, longe e penso, numa incerteza total. Bjs! adorei vc ter deixado suas pegadas aqui...

    ResponderExcluir
  2. [vertiginosa palavra, envolta, revoltando o poema sossegando-o]

    um imenso abraço,

    Leonardo B.

    ResponderExcluir
  3. entendi a subversão do penso logo existo, mas talvez o filósofo gostasse da graça que seu nome possibilitou ao poema. a língua portuguesa é linda!

    bjs

    ResponderExcluir
  4. “...no cio do céu
    flor orgias garoas
    fogaréus alegorias...”

    ResponderExcluir
  5. é o meu poema predileto e ñ sei dizê-lo sem a sensaçáo de caber inteira em seus váos... um risco viciante que me mantém presa e salva...

    ResponderExcluir
  6. BárbaraDaLetras1 de junho de 2011 11:38

    Vi uma cobra ali, meio tímida na forma, mas visível nas sibilantes SSssssSSSS :) , vai rastejante , sem ela própria.

    Adorei, professora!

    Bjs

    ResponderExcluir

Deixe suas pegadas por aqui