quinta-feira, 29 de setembro de 2011

Olho da noite


sem poder falar, apenas toquei a noite com meus olhos


Olho da noite
comboio de sombra
pestana de tempo
mira-me agora
carrega-me onda
sossega este medo

2 comentários:

  1. Que suavidade de poema que nos envolve como um manto de paz. Sinto as palavras vivas.

    ResponderExcluir
  2. gostei muito dessa poesia! o ritmo, o som, as imagens quase sombrias... tudo desembocando no medo! Que delícia de texto para se dizer, ouvir e sentir... bjs! volta logo :)

    ResponderExcluir

Deixe suas pegadas por aqui