segunda-feira, 14 de novembro de 2011

Crônica do amor volante

Tô chegando, ele disse.
Tô subindo, eu disse,
pelas paredes, louca e demente.
Espero aqui embaixo, ele disse,
enquanto eu, agarrada às correntes,
pelas pernas,
me ungia na urgência
de mais um encontro
com o desespero
do enredo próximo.

2 comentários:

  1. Simplesmente adorei tudo, mesmo não a conhecendo já te admiro e fico perplexa por não haver comentários aqui ou em qualquer outros dos seus post então aqui declaro-me como a sua mais nova fã rs
    adorei tudo!
    Acompanharei os próximos posts ou como preferir os próximos Vôos
    Beijo

    ResponderExcluir
  2. Obrigada por deixar suas pegadas por aqui, Clau. Muito bom receber leitores para os vôos que desenho por aqui. Um beijo!

    ResponderExcluir

Deixe suas pegadas por aqui