sábado, 10 de novembro de 2012

Poesia, tá.

Aquilo que alisa também rasga, machuca, penetra. 
Man Ray sabia do impacto. Forma boa deforma, 
açula o risco, questiona a onda.
Gaivota é sabida, rasgou-se toda.

Poesia, tá
na roda
na moda
na onda
na rede.
Poesia é peixe?
Poesia é sede?
Poesia tá sempre
viva, margarida,
girassol, flor orquídea?
Poesia no galho
é sabiá, cotovia?
Pois é, seu Décio,
poesia é, eu selo,
monto e assino,
finco a espora na rima
e corto uma metonímia
ao jeito da oficina
de um mandarim.
Poesia é meu
bonitim...



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe suas pegadas por aqui