quarta-feira, 26 de março de 2014

Ditirambo, de Oswald e de Mim de Andrade, com a licença do destino

Chagall passou perto da gaivota, desenhou um círculo no ar 
e deixou cair os amantes sobre o cavalo azul... 

Meu amor me ensinou a ser simples
um banquinho e um violão 
as notas não se sabem 
as mãos agarram o lápis 
e insinuam a sensualidade nos pés
E se ele vier
dançarei
e se ele vier
sapatearei
sacolejarei
todos os coqueiros dos Jardins das Platibandas
aos dois
aos três
aos grupos
ao longo da linha 
onde nenhum sino
nenhum lápis
ousam riscar da paisagem
a sensualidade da atmosfera violeta
do maxixe dos dedos de GilberTa
e das TeTas Vespas - alTas - como Torres.

Meu amor me ensinou
todas as coisas
que nunca vi.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe suas pegadas por aqui